quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

No Café da Manhã... (poesia sensual)



A brisa fresca do amanhecer, bateu no corpo nu, arrepiando tudo...
Na varanda, a mesa do café posta.
Ele chegou e beijou-me os lábios.

Um toque sutil no meu ombro.
E já sentia os beijos parando no pescoço...
Outro arrepio intenso.
Larguei o livro que lia, e a xícara de café.
Virei-me, e o olhei bem dentro dos olhos.
Disse tudo nesse olhar...
Era a minha vontade louca de amar.

Nova brisa, novos beijos.
E o toque das pernas por debaixo da mesa.
Meus pés percorriam toda a extensão de sua perna.
Provoquei-o.
Ele sorriu prendendo o lábio inferior entre os dentes.
Num gesto todo seu.
Da mesma forma eu tenho o meu:
Mordi o canto dos lábios, sorri com os olhos.

Percorri com meus pequenos dedos, toda extensão das veias que corriam pelos seus braços.
Eu amava fazer aquilo.
Saber que o sangue passava por ali e estava quente; Claro, pelo desejo que eu lhe instigava.
Levantei-me, dando a volta por trás de sua cadeira.
Segurei os cabelos dele, levantando um pouco, e beijei-lhe a nuca.

Segui beijando sua orelha e penetrei a língua em seu ouvido.
Ele se virou, e novamente me beijou.
E foi ali mesmo, que tudo se deu.
Ao fim de tudo, eu estava dormente.
Coisa que só quem também já fez assim, sente...

Fátima Abreu
Fatuquinha

Um comentário: