quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

O BEIJO DO ÊXTASE





Foi entre os amassos na cozinha, que tudo começou...
O teu mais doce pulsar, para meu gosto, despertou.

E com tudo, eu já estava fora de controle:
Desmanchava, com minhas entranhas molhadas...

Entretanto, suspendemos nossas ânsias naquele momento:
Deixamos para depois de nutrirmos o corpo, com alimento.

Quando finalmente me joguei em cima de ti na cama, te prendendo abaixo do meu corpo, despertei aquela vontade, nosso desejo louco...

Entre beijos ardentes de gula, minha e tua,
ficava com as coxas molhadas pelo líquido que de mim brotava...

As carícias eram suaves. Ah, mas, os beijos...!!! Hum... Eram como toques na gruta molhada.
Entre um e outro, o meu êxtase chegava!

Mesmo antes de iniciarmos nosso enlace, nos tornando apenas um nesse momento,
o meu amor brotava pelos poros, era quase perceptível esse sentimento...

Você me olhava, entre uma e outra viril estocada...
Certamente me queria! E nossos olhares trocados, revelavam o tamanho do desejo que nos encobria.

Dois corpos presos nas carnes unidas.
Mas, com carinhos suaves, depois desse extasiante enlace...

Deixei-te cansado, é verdade!
Contudo, a paixão carnal tem dessas coisas:
Para se chegar ao final, tem-se que doar antes.
Coisas de amantes...

Fátima Abreu Fatuquinha




Nenhum comentário:

Postar um comentário