domingo, 26 de fevereiro de 2017

DUETO: MERGULHOS





Mulher... Tua poesia me desnuda, e eu te deixo nua,
para ver a lua. 
Fotografar a nossa liberdade de amar, e gozo...

PABLO QUEIRÓZ

 

HOMEM, TUA POESIA ME FASCINA, ME DEIXA ALÉM DE INSENSATA MENINA... 
O QUERER É MAIOR, DESDE LÍQUIDOS, DESAGUANDO O DESEJO...

Fátima Abreu Fatuquinha


Te quero na veia. Me envenenando de vida.                        
Tua água cachoeira de desejo...
Quero matar minha sede...  
E brincar de calor, mergulhando em ti                        
Teus seios como montanhas...
Subindo e descendo, como sexo em espanhola.

PABLO QUEIRÓZ


MERGULHA DE CORPO E ALMA, DE CABEÇA, SEM MEDO...  
POIS EM MIM, ENCONTRARÁ A FOME SACIADA, A SEDE AFUGENTADA... 
TE EMBEBEDO COM MEUS BEIJOS, E ACALENTO-TE EM MEU CORPO, REVELANDO MAIS SEGREDOS...

Fátima Abreu Fatuquinha    




Quero ser desvendado em ti.
Jorrou sangue da Cachoeira. 
Jorrou água dos seus olhos.
Bebi desse sangue.
Me banhei nessa água.
Não me contive, e mergulhei dentro de você...

Mergulha em mim, tuas mais loucas fantasias; 
Porque assim, vou sonhar como uma verdade nos meus sonhos!

PABLO QUEIRÓZ


SONHA, E CONTINUA MESMO DEPOIS DE ACORDAR:
É QUE O FASCÍNIO DE PALAVRAS QUE MEXEM CONTIGO,
CONTINUAM ESTIMULANDO A  LIBIDO.

NESSE SONHO, ESTAREI NA COZINHA, QUARTO OU BANHEIRO, EM QUALQUER LUGAR...
TENHA EM MENTE, O BEIJO GUARDADO, A PELE ARREPIADA, A NAVE QUE SOBE, TENDE A CHEGAR...


MERGULHA EM MIM, TEUS DESEJOS FEBRIS, 
COISAS QUE IMAGINA,
QUANDO OUVE A VOZ MURMURADA, 
AQUI, DESSA MENINA...

E NESSE MERGULHO, A CARNE ENCONTRA A OUTRA, E UMA SÓ SE FAZ
MAS, OS BEIJOS SÃO NECESSÁRIOS, MEU QUERIDO, 
ANTES DE ALGO MAIS...

A FÊMEA APETECE...
UM URRO SELVAGEM E VIRIL, É OUVIDO;
O MACHO QUASE DESFALECE... 

GALOPES TERMINADOS:
É O ÁPICE DO PRAZER, QUE TINHA QUE ACONTECER.

Fátima Abreu Fatuquinha





 

Trocas- Dueto com Pablo Queiróz

Porque a voz dele, me toca feito as mãos,
e as mãos dele, me envolvem feito fábulas.
E as duas, quando passeiam em mim
desabotoam minhas mais
mal-comportadas
palavras.

Pablo Queiróz


Passeio em tua tão linda e perfeita geografia.
Esse é meu deleite:
Sentir-te, tateio-te...
Procuro entradas nuas, como se fossem estradas tuas.
Quero-te é verdade! Pois o meu corpo cresce, ao pedir pelo teu.
E as mãos fazem o trabalho, enquanto penso no próximo passo.

Fátima Abreu Fatuquinha



sábado, 25 de fevereiro de 2017

CARNAVAL 2017



 ERA COMO SE ESTIVESSE NA AVENIDA, MAS, O PENSAMENTO EM OUTRO LUGAR:
SEUS MOVIMENTOS PARA A PLATÉIA NAS ARQUIBANCADAS, ERAM SEM MOLEJOS.
O SORRISO FICOU PRESO NOS CANTOS DOS LÁBIOS.
 ESTAVA FANTASIADA APENAS, MAS, O CLIMA NÃO ERA PARA ISSO...
DE QUE  VALEM SORRISOS AMARELOS E FALSOS?
 NA QUARTA FEIRA, TUDO VOLTA AO "NORMAL".
E O QUE DÓI MAIS:
CONTINUA NA MESMA!
DESEMPREGO...  
TAMBÉM A FALTA DE SAÚDE, SEGURANÇA E EDUCAÇÃO.
O QUE MOVE ESSA NAÇÃO?

FATUQUINHA

RECORDAÇÃO

Recordação

O importante é não beber para afogar as mágoas ou saudades.
O que vale é ter a lembrança do sabor nos lábios...
O vinho tinto, a música suave...
E a doce lembrança, dos momentos de felicidade.
Fátima Fatuquinha Abreu


* Imagem cedida por  Adilson Bonassa

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

LENÇÓIS & CUMPLICIDADE- DUETOS COM PABLO QUEIRÓZ






LENÇÓIS

Lençóis que
contam histórias,
de amores feitos,
alguns desfeitos,
lágrimas,
sorrisos
e desejos.

Pablo Queiróz


Lençóis molhados, pelo meu e teu gozo, derramados
Marcas de nós.
Coisas minhas adivinhadas por ti.
Coisas tuas, que eu sutilmente, descobri.
Lençóis, com cheiro de amantes.

Fátima Abreu Fatuquinha




CUMPLICIDADE

Impudicamente nos amamos
sobre a colcha de areia
na manhã clara e pubescente.
Somos dois animais em delicioso cio, sem tempo de cânticos nem de românticas ternuras
na pressa do amor e no temor da espreita,
num silencio acumpliciado, em que eu mal respiro, em que tu mal suspiras...

Pablo Queiróz



Não consigo respirar, pois é a tua boca que sufoca meus 'ais'...
Os lábios teus, unidos aos meus.
O silêncio é apenas cortado de relance, quando eu não segurando mais meus ímpetos de boa amante,
gemo baixinho, a procura do teu mais delicioso carinho.

E nessa tormenta, não posso gritar, pois claramente iria nos denunciar...
Mordo teu dedo indicador, enquanto a cavalgada continua...
Dessa forma, não grito. Mas, acabo por te ferir:
É que no êxtase em que me encontrei, mordi-te tanto, que teu dedo sangrei.

Fátima Abreu Fatuquinha

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

SOBRE CAPISTRANO DE ABREU NOVAMENTE...





IMAGENS DA CIDADE QUE RECEBEU O NOME DO MEU PARENTE E HISTORIADOR QUE NASCEU NO SÉCULO XIX, E VIVEU NAS DUAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XX:

Capistrano de Abreu

 * 23 de outubro de 1853 Maranguape, CE (Brasil) 
 + 13 de agosto de 1927 -  Rio de Janeiro, RJ (Brasil)​









 Selo comemorativo com Capistrano de Abreu (foto já idoso):




Texto retirado do link: https://educacao.uol.com.br/biografias/capistrano-de-abreu.htm

Foto do historiador ainda jovem:

 

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/be/Capistrano_de_Abreu.jpg


João Capistrano Honório de Abreu foi influenciado por Tobias Barreto e Sílvio Romero.
Fixou-se no Rio de Janeiro a partir de 1875; lecionou no Colégio Aquino, foi colaborador de O Globo, redator da Gazeta de Notícias e participou da vida literária da corte.

Nomeado oficial da Biblioteca Nacional, aí permaneceu de 1879 a 1883. Nesse ano defendeu a tese O descobrimento do Brasil e o seu desenvolvimento no século 16, em concurso para o Colégio Pedro 2º. Obteve o primeiro lugar.

Foi professor de corografia (estudo geográfico de uma região) e história do Brasil até 1899, quando foi posto em disponibilidade, por extinção da cadeira. Em 1887 foi eleito membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Capistrano de Abreu renovou os métodos de investigação e interpretação historiográfica no Brasil. De início baseou-se nos princípios de Comte, Taine, Buckle, Spencer, e afirmou-se adepto do determinismo sociológico, pretendendo com seus estudos descobrir "as leis fatais que regem a sociedade brasileira".

Realismo histórico

Mais tarde, com o trabalho na Biblioteca Nacional e com a leitura de pensadores alemães como Ranke, Bücher, Eduard Meyer, Sombart e Wundt, evoluiu do positivismo para o realismo histórico, e a pesquisa cuidadosa e imparcial das fontes conferiu às suas interpretações um caráter objetivo.

Sua análise da civilização brasileira parte do estudo do ambiente, dos fatores geográficos, raciais, econômicos e psicológicos. De acordo com o pensamento de Buckle, ressalta a influência das massas e do homem comum na evolução histórica e diminui a importância atribuída aos chefes ou heróis.

Capistrano exerceu grande influência sobre os historiadores de sua geração, sobretudo Rodolfo Garcia, Pandiá Calógeras, Afonso Taunay e Paulo Prado. Seu estilo reflete a economia e a objetividade de sua orientação técnica.

Sua obra mais importante é Capítulos de história colonial, 1500-1580, de grande poder de síntese e que lhe confirmou a superioridade como historiador aos recenseadores de fatos, nome e datas.

Enciclopédia Mirador Internacional
O HISTORIADOR FOI PRIMO DE MEU AVÔ PATERNO, TAMBÉM NASCIDO EM MARANGUAPE, CE, BRASIL: EDUARDO HONÓRIO DE ABREU
A ESCRITA ESTÁ NO SANGUE...

E PARA FECHAR UMA POESIA QUE FIZ HOJE:



DESTINO

A ALMA SOPRA OS VENTOS CÁLIDOS,
COMO AS PÉTALAS DAS ROSAS, QUE SEGUEM UM DESTINO, PROGRAMADO TÃO SOMENTE...

AS PÉTALAS BAILAM NO AR, E FICA UM SENTIMENTO DE COMPLETA ESPERA,
POR UMA NOVA SINTONIA: AQUELA DAS ALMAS GÊMEAS, QUE SE PROCURAM PELA ETERNIDADE,
QUANDO E ONDE, O INFINITO DETERMINAR...


Fátima Fatuquinha Abreu


* IMAGEM CEDIDA POR Adilson Bonassa

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

DUETO: POEMA INACABADO

POEMA INACABADO


Meu poema inacabado,
não me deixa respirar
falta alguma coisa
falta versos
falta sentimentos
falta a falta de você
falta o amor que não me deste
falta o poema que não fizeste
falta tua vontade de entender
falta o carinho entre lençóis
falta o acordar ao teu lado
falta o poema sem compromisso de fazer
falta o fazer amor que nunca fizemos
falta o querer que nunca tivemos
falta você.

Um grito ecoará no meio da noite e dirá:
O homem está condenado a amar
e fazer desse amor o mais lindo
sem profanações de sentimentos.

Meu poema inacabado,
será esse grito perdido na imensidão
dos nossos sentimentos e de nossas incertezas.
Meu poema inacabado,
será assim algo que ainda irei escrever.

Pablo Queiróz.


Um poema inacabado, o seu...
Porque queria e não teve,
Ansiou e não recebeu.

Tudo resume-se nisso!
Qualquer forma que eu tenha dito:
Fui teu desejo mais profundo, mas, somos de diferentes mundos...

As palavras fluiram, e a atração (delas) não se nega...
Embora, sentimentos sejam diferentes:
Muito mais que doces palavras ditas poéticamente...

Na tua cama não estive.
Para isso, uma só explicação:
É que um coração que ainda ama outro, não há como ceder à sedução...

Fátima Abreu Fatuquinha


domingo, 19 de fevereiro de 2017

Desejos: Dueto





DESEJOS

Meu coração vadio  se entrega ao desvario
e me transforma em escravo, um servo
ajoelhado para sorver a cachoeira que jorra do teu desejo...

Tu fecundas o amor dentro de mim como mel,
e me levas ao êxtase do prazer...
E nesse vai e vem arrebatas meu coração que vicía na malícia do teu querer.

PABLO QUEIRÓZ


A malícia do querer nada mais é, do que a atração que te leva a mim.
Em nosso corpos suados pela doce e selvagem cavalgada, quando macho e fêmea ardentes procuram o ápice do desejo.
Eu te subtraio para dentro de mim, cravo as unhas na tua pele exposta, e o que ouço?
Teu urro de prazer, quando me dou inteira, para você...

FÁTIMA ABREU
FATUQUINHA

 

FOTOS NOVAS, DE FEVEREIRO










Figura






FIGURA

(reeditado)

Numa figura me condiciono.
Nessa foto que tirei.
São moldes, contornos de uma face,
Da poeta que me transformei.

A caneta escrevia desde a mais tenra idade.
Sobre o papel, no caderno.
Não tive como te mostrar...
Apenas com o advento da informática,
Pude mais uma vez, me transformar...

Da dona de casa ocupada,
À autora que você lê,
Nessa roda da vida,
Cada dia uma surpresa!
Quem diria que a "Pingo de Gente"
Que sempre fui, teria livros publicados,
Ainda que de uma maneira independente?

Mas, que para mim,
Foi realizado o maior sonho de menina:
Ver meu nome numa capa, (21 agora)
E dizer: Valeu a minha sina...

Fátima Fatuquinha Abreu

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

A MINHA SAFRA





A MINHA SAFRA

A minha safra é de 1964. Embora, o rótulo esteja atualizado!
Ela viu muitas outras aparecerem depois disso...
A minha safra tem sabor.
Afinal dizem que quanto mais velho, melhor o vinho...
Vai se saber...? Só provando...
A minha safra é romântica, De uma época mágica:
De homens gentis, que ofereciam rosas, bombons e cartas perfumadas...
Que abriam a porta para passar a namorada...
A minha safra tinha passeios ao luar de mãos dadas.
Também uma música muito romântica para se dançar...
Minha safra tinha pessoas sinceras e que queriam mesmo levar à sério os relacionamentos.
Sendo dessa safra, sou ainda assim.
O ROMANCE É QUE ME MOVE...
Sou incansável nessa procura:
De uma safra tão autêntica como a minha...
E um despertar de mãos entrelaçadas, no raiar do dia.


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

LOUCURAS DE AMOR

Loucuras de Amor

 (poesia sensual) Fátima Abreu Fatuquinha

Eu navego em teus segredos
Loucuras de amor...
Paixão que fascina,
Que enche de calor...
Vem meu querido!
Passear nessas curvas do meu corpo...
Faz dele teu abrigo,
Para no meu mar de prazer,
Você se satisfazer...

Quero também seguir teus caminhos,
Por essa longa jornada,
De prazeres, de sentidos...
Das emoções, que juntos queremos vivenciar...
Delirantes de paixão, deixo no ar os meus "ais"...
Eu, você o quarto, e nada mais...
Assim como os morangos servidos na bandeja,
Sinto-me para teu gosto...
Dessa vez, serei submissa,
Porém, na próxima, você será minha presa...

 

DESCONTRAINDO SOMENTE...

video


De tristezas, já ando cheia!
Preciso me soltar, sorrir, cantar
No dia da saudade, tomo um café, escrevo, leio...
Suspiro, choro e deixo a mente vagar...
Levanto, ponho uma música e começo à dançar...


O dia é dedicado a saudade, mas, essa não dá trégua, pois só termina no dia do fechar dos olhos.
Saudade não tem jeito: Dor que arde no peito.
Lágrima caída da saudade sentida...
Saudade nossa, íntima e que outros tem na sua individualidade.
Entretanto, só dita em nosso idioma.
Mas, sentida em toda parte, dessa nossa grande redoma:
 (Terra).
Fátima Fatuquinha Abreu

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

SÓ UM TELEFONEMA... REPUBLICADO




A chuva cai lenta e constante,
Espero um telefonema seu,
A qualquer instante...

Lá fora, o vento frio sopra...
Recorro a uma xícara de café
Quero esquentar-me,
Porque não tenho seus braços para isso...
Um telefonema, é tudo que preciso!

Por hora...
Depois quem sabe, um encontro?
Seria bom te conhecer,
Conversar, amar...

Meus pensamentos agora, são seus
Meu desejo no momento se volta para você...
Apenas um instante
Pense assim também
Pegue o telefone, liga!
Fale comigo, meu bem...

Quem sabe eu não te conquisto?
E você sabe que tenho poder para isso... 
Seremos duas mentes no mesmo compasso,
Amigos enamorados...

Conhece a minha alma de menina
Sabe das coisas que gosto
Ri do meu sorriso, pelo telefone
Agora, o que falta mais?
É só ligar!
Pense bem no que digo:
Venha me amar...

FÁTIMA ABREU


A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e área interna

ROSAS & QUADROS







Rosas & Quadros


Pétalas de rosas, suaves como pele feminina bem cuidada.
Textura de fêmea perfumada...
Pétalas coloridas, para enfeitar, um quadro ou dois, no meu lar...
Rosas amigas, que exalam perfume:
Esqueço teus espinhos....

Para eles existe a faca ou tesoura.
A rosa não perde sua beleza por ter espinhos indesejados:
Assim é a vida...
Mesmo com suas intempéries, ela tem graça.
Será então como beijo perfumado, as rosas dos meus quadros.



domingo, 12 de fevereiro de 2017

Trechos de "Personas"

 
Trecho do livro: " Personas"
 
 
... Fiona cuidou de tudo só:
Do marido doente, da bebezinha que acabara de nascer, do próprio negócio, da casa, e dos outros filhos agora, já adolescentes.
Novamente outra estafa para ela...
Seu esposo piorava em vez de melhorar, e já agora, só andava pendurado nas muletas, para todos os lados ela o acompanhava, com medo dele cair, porque o médico disse:
- Se ele cair de novo fica numa cadeira de rodas, para sempre!
Assim, ela foi levando...
Pouco depois, ele ficou também praticamente cego, apenas enxergando com 20% de visão.
Não podia operar porque além de cardíaco, posto que já havia tido três infartos, ainda atrofiara o pulmão, e não aguentava ficar deitado com a barriga para cima, pois o ar lhe faltava.
Como sua respiração era muito difícil, não daria para ficar na mesa de cirurgia.
Até tentaram, mas, ele teve uma parada respiratória e teve que ficar no oxigênio...
Tudo isso, Fiona junto dele, acompanhando e sofrendo também.
Clarisse tinha o pai doente, e a mãe se consumindo de tanto trabalho.
Nesse tormento passaram-se dez anos muito longos...
Ele: Sem enxergar, diabético, cardíaco, deficiente físico, com um pulmão atrofiado e um câncer no nariz, que apareceu por último...
Ela: Cansada, esgotada, e pedindo a Deus todos os dias misericórdia!
Ele fazia perícia todo mês, e o médico do INSS, na última, disse que Adilson estava apto a trabalhar novamente!
Meu DEUS, como?!
Qualquer ser humano em sã consciência, sabia que aquele homem não tinha como ser reabilitado para o trabalho.
Sim, era um colete e duas muletas que o sustentava. Fora os outros problemas comentados acima...
Ele recorreu, deram indeferido. Mas, a PROVIDÊNCIA DIVINA, essa tarda, mas, não falha!
Numa manhã, chegou uma pessoa na mercearia e disse para Fiona:
- Fiona, onde está o Adilson?
- Dentro de casa. Por quê?
- É que passei na porta do INSS, e tinha um tumulto muito grande, e perguntei o que acontecia para uma das pessoas na porta.
O homem me disse que o ministro da Previdência estava lá dentro em inspeção, devido às denúncias daquele posto.
Ele pessoalmente e sua equipe vieram para isso.
E alguns repórteres de TV documentavam tudo. Lembrei no mesmo instante do Adilson que luta para se aposentar por invalidez e não consegue...
Que tal ele ir até lá, e conversar com alguém sobre o problema dele? Pode ser que como tem TV por lá, alguém faça um apelo para ajudá-lo, até ao vivo...
- Nossa, mas, que boa ideia, essa! Vou falar tudo isso agorinha mesmo e dizer para que ele vá! muito obrigada de coração!
- De nada, Fiona, ele é como irmão, crescemos juntos aqui.
O que estão fazendo com ele, é pura maldade! Só de olhar para ele, a gente vê que não tem saúde para trabalhar mais...
Quando lembro ele aqui jogando bola e vôlei nos fins de semana, anos atrás...
Fico com muita pena de tudo que aconteceu a vocês... Por que a gente comenta lá em casa, que muita mulher no seu lugar tinha abandonado tudo. Você é guerreira, tanto quanto ele!
- Quando a gente casa, assume compromissos. Levo o meu a sério.
 
(CONTINUA NO LIVRO)
 
*IMPRESSOS: PEÇA PELO Clube de Autores, NA MINHA PÁGINA DE AUTORA:
 
* EM EBOOK, PEÇA DIRETAMENTE COMIGO POR EMAIL:
fatuquinha@gmail.com
ou whatsapp:
21- 989722886
Desde já obrigada pela leitura!
 
 
 
 
 
 
 
 
Outro trecho:
 
...Costumava dizer:
- Só comigo isso acontece!

De fato, umas coisas estranhas aconteciam...
Ela possuía um campo eletromagnético no corpo, que parava relógios...
Os alumínios de tabuleiros da cozinha, formas de bolo, etc., entortavam rapidamente, assim que ela os manuseava. O fogão novinho que ela comprara quando mudou para a outra vila, em questão de uma semana, já estava com as grades tortas e sem encaixarem direito no lugar...
Quanto calhava de contar essas coisas a alguém não acreditavam, mas, logo que percebiam ser verdade, ficavam pasmos! Seu pai, Val, era o tipo de homem cético e que tenta encontrar explicação para tudo...

Porém, Fiona ficou 15 dias no apartamento dos pais, quando fez a cirurgia de retirada da vesícula, pois era mais perto do hospital, ficou dormindo no sofá da sala...
E na parede, estava um relógio que quase não parava em mais de 30 anos, a não ser umas poucas vezes, por pilha gasta.
Mas, era a proximidade de Fiona no ambiente, que o fez parar. Ela explicou ao pai.Val, não acreditou no que a filha afirmava, então, disse cético:
- Não é isso. Deve estar com a pilha ruim já.

Fiona respondeu:
- Então "tá, né," pai...

Val pegou na gaveta da cômoda de seu quarto, um pacotinho de pilhas novas e das boas (não eram Made in China ou Paraguai), inclusive eram alcalinas. Trocou, acertou a hora, e colocou o relógio no lugar de sempre.
Não passou meia hora o relógio foi atrasando, atrasando, até parar novamente.
Fiona já imaginava que isso aconteceria, e chamou o pai:
- Pai, troca as pilhas de novo, porque o relógio parou.

(continua no livro)
 
 
 
 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

NEM TODA BRANCA, É PURA COMO A NEVE...



Loba em pele de cordeirinha,
nem toda Branca, é pura como a neve...
O poder feminino começa quando ela seduz, e pode ser de formas distintas:
Jeito de mulher fatal, ou indefesa menina...


Nem toda mulher é submissa, nem toda mulher é dominadora...
O jogo é que vai decidir qual será em certo momento.
Ela vai seduzir, mas...
Importante mesmo, é ser boa por dentro.

Fatuquinha


O GOSTO- reeditado






(poema sensual)




O Gosto

é um sabor,
um não sei o que, de paixão
lábios que provam
dessa volátil sedução...

talvez seja doce,
mel saboroso...
gosto.

provar é fácil,
desse gosto agridoce,
mas há de se ter muita preparação,
para que ele brote então...


gruta desnuda,
flor aberta, 
rosa desperta...


sentidos aguçados
para provar:
aroma, tato e paladar...
meu gosto, na tua boca
o teu na minha...

e uma dança então se faz
galopes 
e o êxtase enfim, chega
gosto de gozo.





Fátima Abreu