domingo, 22 de maio de 2016

A DANÇA





Jardin des Tuileries Paris   Palermo and Hueb

Ele a segurou repentinamente, no meio da rua.
Não a conhecia.
Mas a vontade de tê-la nos braços foi incontrolável.
Nunca antes tivera tanta audácia!
Entretanto, algo nela, o compeliu a tal coisa...
Um sorriso displicente, um olhar mais atrevido, talvez...
Ela correspondeu ao abraço de imediato.
Um dança então se fez.
Passou lentos, corpos unidos,
Rostos colados, magia...
E a certeza que aquele momento se repetiria.

Fátima Abreu

2 comentários:

  1. mtso8sar@gmail.com19 de agosto de 2013 17:44

    Bom senso ficcional,Fátima,bom ensaio para se iniciar um texto maior:um romance,um conto erótico delicado,até uma trama policial.Gosto de ler situações hipotéticas,trazem riquezas para a imaginação,e funciona como um prólogo inicial de intencionalidade,legal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLÁ, OBRIGADA PELA VISITA! BEM, EU SEMPRE QUE VEJO A OPORTUNIDADE EM UMA FOTO , PINTURA OU ILUSTRAÇÃO, SIRVO-ME DISSO PARA MINHA INSPIRAÇÃO.
      DAÍ SURGE REALMENTE UMA POESIA, CONTO OU ROMANCE, FOI O CASO DAS PIN UPS, DAREM A IDEIA PARA O LIVRO: "MARIBEL NÃO TINHA OLHOS COR DO CÉU" E AS IMAGENS DE RICHARD QUE ME INSPIRARAM FAZER O ROMANCE: "UM CONTO DE AREIA & MAR".
      UM ABRAÇO E VOLTE MAIS VEZES AO BLOG.

      Excluir