sábado, 28 de abril de 2012

VOLTA AO LAR

VOLTA AO LAR


ERA UMA PROMESSA
HÁ MUITO TEMPO FEITA...
ELA NÃO ACREDITAVA,
ELE VOLTARIA, ALGUM DIA?

AS CARTAS ESCRITAS,
AS MENSAGENS DE RÁDIO.
ESPERANÇA!
O PERFUME DELE, NO AR...
SÓ A FAZIAM SONHAR...

A VOLTA PARA CASA
DEPOIS DE TANTAS BATALHAS,
SERIA POSSÍVEL?
QUANTAS ESPERANÇAS CONTIDAS,
NAS LETRAS DAS CARTAS,
POR ELE, ENVIADAS...

ELE VIRIA BATER À PORTA,
ERA ESSA SUA VONTADE!
QUANTAS TRISTEZAS ELE VIVENCIOU?
MUTILADOS, AO SEU LADO,
CHOROU...

ELE PENSAVA:
A VOLTA PARA O SEIO FAMILIAR,
A VONTADE DE COM ELA, ESTAR...

ELA SABIA, ELE DESCREVIA,
NAS MENSAGENS QUE ENVIAVA...
AINDA PODIA OUVIR SUA VOZ ROUCA,
TÃO DISTANTE...
FALAVA O SEU OUVIDO
PALAVRAS DE AMOR,
SENSAÇÕES, CALOR...

A VOLTA PARA O LAR!
A ÁRVORE MARCADA, ESTAVA A ESPERAR,
EMBAIXO, ELE A ABRAÇARIA,
RELEMBRANDO AQUELES MOMENTOS
ANTES DA PARTIDA,
PARA UMA GUERRA TÃO ABOMINÁVEL,
QUANTO DESNECESSÁRIA.
A VOLTA PARA O LAR...
ERA ISSO QUE O MOVIA,
QUANDO AS CARTAS LHE ESCREVIA...

LAR: TRÉS LETRAS
QUE TANTO O COMOVIA AGORA,
POR ESSAS TERRAS INÓSPITAS,
MUNDO A FORA...

ESPERA A MULHER ANSIOSA,
E UMA CARTA CHEGA,
MAIS UMA MENSAGEM ENVIADA,
COM PALAVRAS DE CARINHO,
TRAZENDO UMA BOA NOVA:
ELE VOLTARIA DENTRO DE POUCOS DIAS...
A VOLTA AO LAR,
ERA PURA POESIA!

AGORA ELE CHEGAVA...
VOLTAVA DE CABEÇA BAIXA,
A TESTA FRANZIDA,
UMA RUGA, DESPERCEBIDA...

A MULHER O ACOLHIA...
ERA FÁCIL PERCEBER,
QUANTAS MISÉRIAS ELE PRESENCIOU:
A FACE NÃO ERA A MESMA,
DE QUANDO ELE SAIU
DOS SEUS BRAÇOS,
MANSOS E CARINHOSOS...

ELA O BEIJOU ENTÃO...
DISSE COM A CANDURA DE UM ANJO:
" NADA É MAIOR DO QUE ESSE MOMENTO, A TUA VOLTA AO LAR...
ESQUEÇA AGORA, O QUE TE FEZ CHORAR".

FÁTIMA ABREU

2 comentários:

  1. Oi amiga passei no seu blog, suas poesias são muito lindas!! Parabéns
    Bjss

    ResponderExcluir