sexta-feira, 26 de junho de 2015

Rosas Acorrentadas 2

 


As rosas continuam acorrentadas.
Presas, sem saber quando terão liberdade.
Embrulhadas em papel apertado.
Com laço e tudo! Contra suas vontades.
Já para que não respirem...

Rosas sufocadas pelos cravos.
Antigos parceiros de jardim.
Tornaram-se algozes
Pobres rosas acorrentadas!
Emudeceram suas vozes.

Fátima Abreu


Um comentário: