quarta-feira, 12 de junho de 2013

O CENTAURO E A CORÇA ( CONTO )

"O CENTAURO E A CORÇA"






Na Grécia antiga, de seres mitológicos incontáveis, vivia uma corça encantada. Antes havia sido humana, mas Zeus, pai dos deuses do Olimpo, castigou-a por ter se apaixonado pelo belo deus Apolo.



Apolo então com pena da moça, deu um lugar nos campos, onde poderia ficar a salvo dos caçadores. Passaram-se cinco anos desde então.



Um dia, um grupo de centauros chegou até aqueles campos. Estavam procurando lugar para armar um acampamento.



A corça ficou com medo, mas decidiu ficar escondida para saber o que acontecia. Era uma época de conflito entre centauros e humanos.



Acenderam uma fogueira, depois de se estabelecerem no local. O chefe dos centauros chamava-se Tales. Era forte e cativante! Foi esse o pensamento, que passou pela cabeça da corça...



Ela então resolveu voltar para junto de suas companheiras, as outras corças que viviam por ali, antes que fosse descoberta!



No dia seguinte, o líder dos centauros foi explorar o novo território. Chegou ao lugar onde as corças dormiam, e já armava seu arco, quando escutou uma voz:



_ Por favor, não nos faça mal!



O centauro ficou boquiaberto! Como uma corça poderia lhe falar?



Ele então disse:



_ Quem é você, e como pode ser isso,como está falando?



_ Sou uma corça agora, mas antes fui humana. Estou assim por um encantamento de Zeus.



_ E as outras, também são corças encantadas como você?



_ Não, apenas eu. Cuido delas.



_ Fique tranquila. Não vou fazer nenhum mal à vocês. Volto amanhã para conversarmos mais um pouco, você deve se sentir bem só, pois não fala com ninguém aqui!



_ Está bem, obrigada! E assim surgiu uma grande amizade entre eles.



A corça desenvolveu um sentimento que nunca havia sentido antes. Tentava não pensar nisso, porque era impossível de realizar tal sentimento, presa naquele corpo: amava Tales de todo coração!



Certo dia, Tales demorou. A corça ficou aflita e foi procurá-lo. Descobriu que ele havia sido ferido gravemente, em combate com os humanos. A corça então, entrou de fininho dentro da tenda onde estava o centauro. Pegou uma faca que estava sobre a mesa, e cortou sua patinha, deixando sair um filete de sangue, que passou sobre o ferimento.



Rapidamente a ferida fechou-se!



É que seu sangue encantado, curava qualquer ferimento! Tales abriu os olhos e viu a fiel amiga ao seu lado. Disse-lhe que um dia iria recompensá-la por ter salvo sua vida.



A corça disse que não precisava e se foi, com medo de que fosse descoberta pelos outros centauros. Tales sentiu uma coisa estranha, algo novo...



Não conseguia parar de pensar na corça! Descobriu-se apaixonado!



Na manhã seguinte, foi procurar a corça. Precisava lhe dizer o que se passava em seu coração... Ele disse para ela que sua alma se enchia de alegria, ao vê-la!



E que estava muito apaixonado por ela.



A corça ficou em estado de choque!



Afinal, ele também estava amando, assim como ela...



Ele decidiu que iria fazer algo para que a corça voltasse à ser humana, mesmo que para isso, tivesse que ir ao Olimpo.



Voltou então ao acampamento para realizar um tratado de paz com os humanos, delimitando o território. Assim, sua única preocupação seria desencantar a sua amada!



Nesses dias, a corça adoeceu. O centauro foi procurá-la e a encontrou muito mal.



Ele pediu à Afrodite, que ajudasse a curá-la e que conseguissem realizar o amor que tanto sentiam um pelo outro. Como a deusa do amor, poderia negar?



Aqueles corações estavam apaixonados! Sendo assim, disse que os ajudaria, mas que seu pai, Zeus, não poderia saber disso.



Foi quando um grande trovão abalou os céus. Era Zeus que chegava. E disse em tom austero:



_ Como queriam fazer segredo de tamanha coisa?



Afrodite então disse ao pai:



_ Pai, eu não poderia deixar de ajudar a esses dois enamorados...



_Eu já castiguei essa jovem por muito tempo. Já que não está mais amando meu filho, Apolo, vou libertá-la do feitiço!



E assim, com um sopro forte, a corça transformou-se em uma linda jovem loira! A moça agradecida, chorava! Um choro de alívio e de esperança para o futuro...



Um futuro, em que Tales também participaria, afinal, era para isso que desejava ser humana novamente: para viver seu grande amor!



E assim, o casal uniu-se para sempre...



A desigualdade não tem lugar, quando o amor fala mais alto!

FÁTIMA ABREU

Nenhum comentário:

Postar um comentário