domingo, 4 de junho de 2017

O Mundo Digitalizou-se: NOVA DINÂMICA DA IP

video


TRISTE... UM VÍDEO NOS MOLDES DO ANTIGO CINEMA MUDO (INCLUSIVE COM O MESMO TRAÇO DA BETTY BOOP DA ÉPOCA), MAS, COM A NOSSA REALIDADE ATUAL.
 O MUNDO DIGITALIZOU-SE


Opiniões:

Elisa Mello (convidada especial)

Realmente essa tecnologia, cada vez mais avançada, traz uma carga muito grande de prejuízo. Sinceramente, aquela coisa de toque, de abraço, de conversa,  até num almoço, enfim, numa mesa, tornou-se assim uma coisa inexistente mesmo.

NINGUÉM SE OLHA, NINGUÉM TEM MAIS OPINIÃO...
Enfim, desculpa a expressão(chamo mesmo), é só "porcaria de celular". Dá vontade de sair quebrando tudo e todos!

...Eu achei uma coisa tão do fundo! (o vídeo)
Inclusive muitas amigas passam pelas mesmas coisas. 
Serve de alerta. Mas, acho que nem tem mais alerta!
Infelizmente é como se diz por aí: Está tudo dominado.


Eu, Fátima Abreu Fatuquinha (IP)

Vi e revi algumas vezes e em cada momento tive uma tristeza. É lamentável uma sociedade que não saber lidar com sua própria tecnologia! Ela é sempre bem vinda, se for usada de maneira correta, sem interferir nas relações humanas!

Quanto ao vídeo em si:
 O que antes seria mais uma ferramenta para ajuda e simplificar a  vida diária  de tantas pessoas, agora, é o foco de destruição de todo um sistema de coisas. Inclusive de âmbito familiar.
Pude observar as ironias também retratadas no vídeo:
 Bem, de início, o vídeo mostra as pessoas andando na rua como zumbis, sujeitas a cair literalmente nos buracos, e toda sorte de acidentes, já é impactante!
 A moça triste que ao tirar a foto no celular fica alegre repentinamente, para o seu flash, denota a importância dela estar bem para uma foto que outros vão olhar, entretanto, ela não está bem consigo.
 O menino andando na rua e todos de cabeça baixa sem lhe dar a mínima atenção, em seus próprios mundos ciberneticamente criados...
A mulher que escolhia namorados por perfis nas redes sociais: Dando a ideia que é só clicar e escolher... A vitrine está pronta!
Relacionamentos que começam e terminam via virtual.

A pior de todas as circunstâncias para mim, foi a moça que tentava o suicídio, jogando-se do prédio, e todos só queriam registrar o momento com seus celulares, em vez de dissuadi-la do intento...
Isso mostra o grau de dano de uma sociedade egoísta, que não se preocupa com seu semelhante.
Enquanto o outro apanha na rua, sofre também a agressão dos que ficam apenas fotografando e reenviando o ataque, sem tentar acabar com a violência!
É inaceitável uma sociedade assim.

Que geração será a próxima, sem diálogos olho no olho, ou sem estarmos juntos à mesa, falando sobre nosso dia?
 Eu abomino toda essa onda, pois o próximo passo de tal tecnologia é que a cibernética (com a robótica) tome conta de tudo, e que não haja mais humanos no controle.


Marcos José (convidado especial)

 Sobre o vídeo, eu concordo que existem pessoas que extrapolam mesmo o seus tempos livres no celular. Também acredito que muitas pessoas se sintam enciumadas, esquecidas, deixadas de lado pelo excesso de uso das pessoas ao redor, porque assim, como em todo direcionamento, existem pessoas que têm bom senso e a grande maioria realmente não tem.
Acho que existe falta de educação quando as pessoas são interrompidas pelo excesso do uso do aparelho em horas inapropriadas.
Também vejo de uma outra forma, o uso excessivo das redes sociais.


Opinião Pessoal:

Muitas vezes, usamos as redes ao nosso favor. Mas, o importante é ter um limite traçado do que se quer tornar público.
Eu costumo dizer que uso as redes e nunca permito que elas me usem. Esse pretexto usado por mim, vem chancelar que muitas das vezes, estamos em conversa com outras pessoas nas redes, porque a pessoa do nosso lado é desinteressante, não trava um bom assunto, ou não sustenta um papo interessante.
Por isso que as pessoas das redes ganham mais espaços em nossas vidas.
Eu mesmo possuo dois grandes amigos que só conheço por rede social e que já temos uma boa amizade de 5 anos nos falando todos os dias.
Isso quer dizer que temos mais em comum e mais amizade um ao outro, que muitos amigos e parentes que estão sempre fisicamente por perto.
Sei que o uso exagerado das redes podem fazer com que determinadas pessoas se sintam excluídas, mas, antes de se sentirem revoltadas, trocadas "por um celular", algumas dessas pessoas, deveriam se perguntar se o problema não está com elas próprias...
Se elas tem um papo legal, se são interessantes, se estão em sintonia com a companhia que está ali a trocando por um celular.
Tudo é questão de situação. Antes de criticarmos as pessoas que "nos trocam por um celular", devemos fazer um exame de consciência e nos perguntar:
Será que eu sou uma pessoa interessante? Será que o meu humor ou mau humor influencia em uma conversa? Será que o problema não está comigo por não ser mais interessante, do que a pessoa que está com o meu interlocutor no celular? Será que essa troca é realmente uma "esquizofrenia social"?
Não sei! O que importa é que antes de criticar, devemos fazer uma auto crítica, e ver se o problema não está com a gente mesmo.                 
Fica registrada a minha opinião sobre o vídeo.                 
Mais uma vez, obrigado pela participação na sua enquete!


Cida Nuno (convidada especial)


Meu olhar é do que vivemos atualmente. Alienação causada pela pseudo dependência de um mundo construído ao alcance das mãos de qualquer ser humano: Um smartphone!

Enfim, penso que a carência humana associada a rápida evolução tecnológica, proporcionaram ao ser humano a construção de "mundos" alienantes e vazios.
O ser humano não percebe o outro e os seus sentimentos.


Delonir Cavalheiro (IP)


O salto emburrocionário.
Como é de domínio público, a tecnologia da comunicação dos anos 80 pra cá, deu um salto na sua evolução.
Os telefones e cartas já não eram mais as únicas formas de se comunicar. Surge o computador.
E daí por diante só evoluiu...
E-mails, icq, Messenger, sites e chats. Um vislumbre das redes sociais. Gazzag. Orkut. Facebook.
E a última moda. Wattsapp e snapchat.
Tudo é evolução.
O telefone evoluiu.
A televisão evoluiu.
Ambos com acesso a net.

Agora temos sites de desinformação. Imprensa marrom digital.
Já falei do YouTube?
Hoje vemos pessoas conectadas vinte e quatro horas por dia.
Relacionamentos chegam ao fim, porque a tecnologia da comunicação evoluiu a ponto de aproximar as pessoas que estão distantes e afastar as que estão próximas
Mas, a culpa e dos meios de comunicação?
Em absoluto!
A tecnologia não é boa nem má: Ela é aquilo que as pessoas fazem dela.

Hoje é impossível sair a rua, e não ver as pessoas conferindo seu celular.
Amigos virtuais, amores virtuais. Amantes virtuais!
Todos longe e distantes dos olhos.
Mas, e as pessoas que estão próximas?
Essas, cada vez mais distantes.
Tudo hoje pode ser capturado pelas telas de um telefone.
Tira-se selfie de tudo.
Desde a roupa nova, até o seu jantar. Eternizando momentos nas redes sociais.

Cada vez mais pessoas conectadas com o virtual. Esquecendo um mundo maravilhoso que foi feito para ser aproveitado. Curtido. Compartilhado.
Então, não houve um salto evolucionário na espécie humana.
Houve sim,  um salto
EMBURRUCIONÁRIO.
Sim!!!
As pessoas estão ficando burras, perdendo sua própria identidade em perfis fakes.
Estão perdendo a cultura, a política e a sociabilidade.
Então desculpem, ou não.
Mas, a tecnologia a meu ver, é um brinquedo nas mãos das crianças adultas.

Lembrem:
A tecnologia aproxima quem está longe, e afasta quem está do teu lado!

DELONIR CAVALHEIRO
Canoas/RS


Maria Fernanda (IP)


Dinâmica Ip : Dia 04/06

____Refleti a semana toda a respeito desse pequenino vídeo mudo, em preto e branco e o que dizer?
Sobre mim, percebi as tantas escravidões, prisões e privações que tenho vivido!
A tecnologia nos tornou escravos da sua  facilidade e praticidade! 

Sim, a modernidade nos tornou prisioneiros de nós mesmos, pois muitas vezes não conseguimos pensar, sem antes buscar inspirações na internet.
Fui escrava dos horários, também dos meus cabelos, secador e chapinha, escrava das coisas que imaginava correta.
 Mas, que realmente eram corretas apenas para mim!
E o vídeozinho veio para alertar de forma silenciosa, o buraco em que estamos caindo...

Aquele menino que se sentiu sozinho em meio a multidão de internautas, e representa cada um de nós: Exatamente como nos sentimos cada vez que desligamos a internet e ficamos perdidos no mundo real!
Eu com certeza, vou levar mais um aprendizado desta Dinâmica!
Desejo a todos  uma vida longa e produtiva, dentro dos limites normais criados por Deus para nós  humanos. E suportar tudo com alegria e resignação.
"A vida não é uma corrida maluca; Ninguém precisa entrar como uma competição".


Lílian Furtado (IP)


O FILME RETRATA UMA TRISTE REALIDADE QUE VIVENCIAMOS EM NOSSO COTIDIANO:

AS PESSOAS SOMENTE VOLTADAS PARA INTERAGIR NO MUNDO VIRTUAL, ESQUECENDO-SE DE VIVER O MUNDO REAL.

 E DE OLHAR PARA QUEM ESTÁ AO SEU LADO.
PREOCUPAM-SE MAIS EM PARECER BEM NA REDE SOCIAL E EM FOTOGRAFAR, FILMAR FATOS DA REALIDADE, SEM SE PREOCUPAR COM A SUA REAL IMPORTÂNCIA!

APENAS PARA A MERA EXPOSIÇÃO VISUAL.
QUEM NÃO PARTICIPA DISSO, FICA ISOLADO, PERDIDO COMO UM SER EXTRATERRESTRE.
ENQUANTO OUTROS VIRAM ESCRAVOS DO TECLADO, JÁ QUE A REGRA É "APARECER" E NÃO "SER" PARA O OUTRO.
TORNAMOS-NOS ASSIM, COISAS E NÃO PESSOAS REAIS!
E TROCAMOS AMIZADES VERDADEIRAS POR "SEGUIDORES", SEM PERCEBER QUE PARA ALCANÇAR RECONHECIMENTO E ADMIRAÇÃO, CAMINHAMOS PARA A SOLIDÃO DE UM MUNDO QUE E SÓ ILUSÃO.



José Luís (ex IP convidado)

"O vídeo retrata em animação, o que de fato como a sociedade está se comportando smartphones, celulares...
Já não bastasse a TV, que moldou o comportamento familiar, onde o diálogo na sala ou na mesa de jantar, agora substituídos por filmes e longas.

O celular realmente veio pra fechar o caixão do diálogo,  e na rua, vemos pessoas robóticas, visivelmente em transe hipnótico, presas fáceis do perigo diário que permeia a sociedade, literalmente falando.
Qualquer coisa engraçada, acidente, briga, mortes e execuções, são motivos de serem compartilhados. A vida alheia cada vez mais banalizada nas multivariadas e cruéis recursos dos celulares.

Realmente um abismo, para aqueles que não possuem recurso psicológico e mental, para lidarem com a tecnologia".



Naná Aziati (IP)


Eu já conhecia este vídeo. Confesso que me emociona e muito.
Não julgo quem passa muito tempo na frente da tela de um celular.
Até porque, cada um sabe os motivos que o levam a gastar seu tempo com o que a tecnologia tem a oferecer.
Eu, particularmente, depois que meu vô faleceu, a vida havia perdido a graça e a cor.
Então, passava horas na frente do celular e não prestava atenção em mais nada além dos aplicativos, redes sociais, jogos, etc...
Mas reconheço: Isto não é saudável.
No meu caso, era a forma que eu achava, que eu não pensasse na dor da morte do meu vô.

Hoje, depois de um processo longo no luto, procuro ocupar meu tempo de outras maneiras, e sou mais feliz.

Tudo na nossa vida precisa de equilíbrio. Tudo que é demais faz mal.
A vida é muito mais que uma tela de celular!
Quando estamos com a  família, amigos, temos que dar atenção a eles.
O celular é um meio de comunicação que pode ser muito útil, mas, quando passamos a viver para a tecnologia e não a nossa vida real, aí caminhamos realmente rumo ao precipício: Pois, nenhum meio de comunicação, é mais valioso que um olho no olho.
Que possamos ter bom senso, em quando e quanto tempo gastar com o celular.









Um comentário: